Diretoria do Sintasa debate pontos do Acordo Coletivo no Hospital de Estância


Os diretores Adailton dos Santos e João Wadson, do Sindicato dos Trabalhadores na Área da Saúde do Estado de Sergipe (Sintasa), reuniram-se com a comissão de trabalhadores do Hospital Amparo de Maria, em Estância, e com a gestão do hospital, nessa quinta-feira, 1º de novembro, a fim de debater alguns pontos para a construção do Acordo Coletivo, sobretudo, em relação a folga-aniversário e troca de plantão em escala mensal.

Na reunião, ficou aprovado a folga ao servidor no mês de seu aniversário, desde que o servidor trabalhe acima de 42 horas, tenha assiduidade, não tenha faltado cinco vezes sem justificativa, não passe cinco atestados médicos e que a folga não cause prejuízo ao hospital, ou seja, seja em dia útil.

Também foi debatido a troca de plantões dentro da escala mensal, porque hoje a gestão do hospital já permite a troca semanal, mas por precaução só irá permitir a troca de plantão dentro da escala mensal quando ocorrer a homologação do Acordo Coletivo entre Sintasa e o hospital, junto à Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE). Sobre o gozo das férias, haverá uma consulta com a classe trabalhadora para saber se prefere como está do dia 16 a 15, ou que seja do dia 1º ao dia 30.

De acordo com o técnico de enfermagem, Manoel Batista Assunção, que é o presidente da comissão de trabalhadores, todos os ajustes que estão sendo feito tem tido o cuidado de serem feitos dentro da lei juntamente com o sindicato. “Tudo que a gente faz aqui, primeiro consultamos eles – tanto Augusto (Couto, presidente do Sintasa), como Adaílton. O hospital passou por uma crise, mas hoje está quase normalizado... A reunião foi muito proveitosa com o auxílio do Sintasa. Nós continuaremos precisando do sindicato sempre. Não faremos nada que não tenha apoio do sindicato, pois tentaremos fortalecer o sindicato aqui dentro”, afirma Manoel Batista.

Gestão
Na avaliação de Erivaldo dos Santos, gerente de Recursos Humanos do hospital, a participação do Sintasa foi fundamental para fazer esta ligação com o trabalhador. “O Sintasa veio fazer a mediação entre uma parte e outra, o que foi de grande valia para a gente, porque esclareceu pontos que a comissão de funcionários não entendia... a empresa tem que cumprir algumas prerrogativas que a lei exige, e nós não podemos ultrapassar, pois quando a gente ultrapassa gera multa”, explica o gerente.