Sintasa luta por reajuste salarial para a Rede Privada na confecção da CCT


Reajuste salarial, banco de horas, folga-aniversário, auxílio-creche e liberação de dirigente sindical. Estas são as cinco cláusulas divergentes para a conclusão da confecção da Convenção Coletiva do Trabalho (CCT) entre o Sindicato dos Trabalhadores da Área de Saúde no Estado de Sergipe (Sintasa) e o Sindicato dos Hospitais e Clínicas do Estado de Sergipe (Sindhose).

Na audiência entre as partes, mediada pelo procurador do Trabalho, Ricardo José Carneiro, na última quinta-feira, 6, a classe patronal pediu mais um prazo até o dia 20 de setembro para se manifestar em relação à estas causas divergentes.

Na ocasião, os representantes do Sintasa foram enfáticos em afirmar que em relação ao reajuste salarial deverá será feito de acordo com os termos propostos pelos trabalhados, através do Sintasa. Por outro lado, o Sintasa avisou que não irá se opor à adoção do banco de horas com compensação por período não excedente a um ano, na forma prevista pelo Sindhose.

A próxima audiências envolvendo os dois sindicatos será no dia 28 de setembro, às 9 horas, no mesmo local, na Procuradoria Regional do Trabalho da 20ª Região. Antes, a diretoria do Sintasa convoca todos os empregados da Rede Privada representados pelo Sintasa para uma assembleia dia 24 de setembro, com primeira chamada às 7h e segunda chamada às 7h30min, na sede do Sintasa, que fica na Rua Lagarto, 755, no centro de Aracaju. 

Estiveram presentes na audiência, o gerente e o advogado do Sintasa, Janderson Alves e Adalício Morbeck, respectivamente, a representante do Sindhose, Adriana Patrícia da Conceição, e as advogadas da classe patronal, Lara Emanuelle Batalha e Danielle Santos Silva.