Convenção Coletiva dos Trabalhadores da Rede Privada é concluída


Os empregados da Saúde do nível médio da Rede Privada de Sergipe aprovaram a nova Convenção Coletiva do Trabalho 2017-2018, retroativo a junho de 2017, mês da data-base. Destaque para o novo reajuste salarial para os auxiliares de enfermagem que passam a ganhar a partir da folha de setembro R$ 971,00 e os técnicos de enfermagem vão receber R$ 991,00 e outros benefícios vinculados ao salário-base, como insalubridade. A deliberação dos trabalhadores foi dada na assembleia extraordinária, organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores na Área da Saúde do Estado de Sergipe (Sintasa), nessa segunda-feira, 28, na sede do sindicato. 

Desde maio, a diretoria do Sintasa com o departamento jurídico estava negociando com os representantes do Sindicato dos Hospitais e Clinicas do Estado de Sergipe (Sindhose) e com mediação da Superintendência Regional do Trabalho (SRT). Depois de algumas rodadas de negociação, chegou-se a um consenso entre as partes e foi levada a proposta até assembleia dessa segunda-feira, quando foi aprovada pelos trabalhadores.

“Sabemos que não é a excelência que o trabalhador quer e merece e que o Sintasa queria, mas fizemos o possível e ainda contamos com o apoio da SRT para chegar cada ano mais perto do que achamos mais justo. O importante é que houve evolução visto que desde janeiro deste ano os auxiliares e técnicos de enfermagem recebiam salário-mínimo, ou seja, R$ 937,00. Mas a partir da folha de setembro terá um aumento para as duas categorias”, explica Augusto Couto, presidente do Sintasa.

Outros ganhos
Um ponto significativo de ganho real dos trabalhadores é que as empresas e clínicas privadas que não têm condições de oferecer alimentação ao trabalhador no próprio local de trabalho, terá que dar um auxílio-alimentação no valor de R$ 35,00 por refeição. Haverá também auxílio-funeral em tempo hábil no valor de 50% do salário-mínimo. E outra questão é a padronização nas empresas para que o atestado médico possa ser entregue pelo trabalhador em até 48 horas, diferente do que era atualmente quando em alguns lugares aceitava 12 horas, outros 24 horas, e alguns nem aceitava. 

Após a aprovação da proposta da convenção na assembleia, houve o contato com o sindicato patronal avisando da aceitação e agora só falta homologar na audiência de mediação, na SRT, no dia 4 de setembro. Em detrimento disto, não poderá entrar na folha de agosto, que pode ser paga até o quinto dia útil de setembro. Em compensação, o retroativo de junho deste ano até agora, será pago na folha de setembro, que pode acontecer até o quinto dia útil de outubro.