Sem avanço no Acordo Coletivo, Sintasa mira paralisação dos servidores


O Sindicato dos Trabalhadores na Área da Saúde do Estado de Sergipe (Sintasa) irá fazer uma convocação nos próximos dias aos servidores celetistas da Fundação Hospitalar de Saúde (FHS) para a realização de assembleia extraordinária a fim de passar as informações sobre a dificuldade de se negociar com a fundação o Acordo Coletivo do Trabalho e para ser aprovado alguns atos como paralisações não apenas no Hospital de Urgência de Sergipe e Maternidade Nossa Senhora de Lourdes, como também nos Hospitais Regionais.

Nessa quinta-feira, 20, a direção do Sintasa voltou a se reunir com o mediador da Superintendência Regional do Trabalho (SRT), Nilson Barreto Socorro, e o procurador da FHS, Thiago Davis, mas não houve avanço nas negociações. A alegação da fundação é que todo o impacto financeiro assumido pela gestão pública estadual passará para a gestão da Secretaria de Planejamento e Gestão do Estado (SEPLAG).

Diante disto, no mesmo dia, o Sintasa protocolou na SEPLAG um ofício solicitando uma reunião com o secretário Rosman Pereira a fim de que se avance na construção do Acordo Coletivo. No documento, o Sintasa ressaltou que precisou de três reuniões na SRT para a FHS concluir que não teria condições de negociar com a categoria e reportando a responsabilidade para a secretaria.

O Sintasa lamenta o fato de que desde 2012 não consegue celebrar Acordo Coletivo do Trabalho com a FHS, apesar das várias tentativas de negociação pelo lado sindical. Inclusive, neste período, em alguns anos não houve reajuste anual salarial, o que representou prejuízo para os trabalhadores.